7 dicas de psicologia e neuromarketing para melhorar sua estratégia online

Como já falei neste post, já não é novidade o assunto sobre a overdose de informações que vivemos hoje e o quão baixo está nosso índice de atenção. Então, observações e dicas de neuromarketing ou psicologia para ajudar a fortalecer as campanhas e criar laços afetivos com o target nunca é demais, né?

Mas será que estes truques realmente funcionam? Muitas pessoas acreditam que estas coisas não têm efeito algum sob elas, mas existe um nome pra esta suposição: é chamado de “bias blind spot“, ou como você acha que lida com seus comportamentos e julgamentos melhor que os outros. Nossa mente prega estas peças na gente e é exatamente por este motivo que estes truques funcionam tão bem. Afinal, se isso não tem efeito sobre mim, por que então eu deveria me preocupar ou me proteger?

Caso você queira se aprofundar mais neste assunto, recomendo a leitura dos livros: “Contagious: why things cath on?” do autor Janah Berger e também “Made to Stick: Why some ideas survive and others die“, dos autores Chip Heath e Dan Heath. Enquanto isso, apontarei aqui um compilado com alguns princípios psicológicos para entender e utilizar na sua estratégia de redes sociais ainda hoje.

1. Prova social

A primeira coisa que você precisa saber é sobre a “prova social”, que é um conceito super importante na media social. Você provavelmente já sabe sobre isso – o principal elemento da prova social é que as pessoas são mais sucetíveis a gostar gostar do que outras pessoas já tenham gostado e demonstrado interesse (daí vem os reviews e depoimentos). Ou seja: se você tiver um monte de gente gostando de algo nas redes sociais, provavelmente mais um monte de gente vai gostar daquilo também.

Infelizmente, isso está fora do seu controle. Embora esta seja a métrica que mais ganha destaque na sua campanha, os likes também têm um outro propósito (a prova social) e é muito importante entender este ponto, especialmente quando você quer posicionar sua marca no mercado.

2. O efeito da exposição

Familiaridade traz afinidade. É o chamado “efeito da exposição” e é por isso que grandes marcas constantemente te impactam com as propagandas: através deste repetido processo de exposição, você está mais familiarizado com a marca e, portanto, mais propício a compra-la.

Mas então, como utilizar esta dica se você não tem um budget alto? Exposição não precisa custar sua vida, especialmente se você conhecer bem o seu target e souber direcionar sua mensagem a públicos específicos, que estarão mais receptíveis à campanha. Se você quer abordar uma empresa, por exemplo, pra ver se eles estão interessados no seu produto, segmente os principais cargos, os tomadores de decisão para ver seu anúncio. Quer fazer seu negócio ser conhecido numa nova região? Então utilize campanha por geo-localização e invista mídia para expor este conteúdo por algumas semanas.

3. Reciprocidade

Este item já não é novidade! Já fiz um post inteirinho falando sobre o gatilho mental da reciprocidade aqui, mas sempre vale reforçar.

Quando nós recebemos algo – um presente, um elogio, ou até mesmo um pouco de atenção – instintivamente nós sentimos a necessidade de retribuir. É por isso que os vendedores te dão uma caneta antes de tentar conseguir sua assinatura para um contrato, por exemplo. E é por isso também que você deveria sempre atingir seu público de uma maneira que eles se sintam peças importantes do contexto: se você iniciar uma verdadeira conversa com o target, eles irão se sentir mais conectados a você e, consequentemente, serem mais engajados.

É por isso também que você deveria sempre pensar em oferecer coisas para seus fãs, e nem precisa ser nada grande, apenas algo que ative este senso de reciprocidade (descontos, conteúdo especializado, dicas interessantes, brindes…). Isso já os deixará mais propícios a indicar sua marca para os amigos deles.

4. Semelhança gera conexão

Nós gostamos de pessoas que são parecidas com a gente – então tenha certeza de que a sua campanha está compatível com os mesmos valores e ideias que o seu público alvo.

Isso é uma simples questão de entender quem seus consumidores são, descobrir como e com o que eles investem tempo e então, publicar informações sobre estes conceitos nas suas redes sociais. Gostam de gatinhos, selfies, memes, humor? Abraçam alguma causa? Resumidamente: entenda sobre o lifestyle do seu target para saber quais os territórios que a sua marca pode pisar.

Faça isso de maneira coerente e perceba seus consumidores mais conectados com você – mais engajamento, likes, comentários e compartilhamento no seu conteúdo.

5. Pessoas se conectam com outras pessoas, não com empresas

Esta deve ser a dica mais importante de todas. Faz parte de como nós evoluímos: gostamos de rostos, pessoas, abraços.

Não apenas seu conteúdo, mas seu site também deveria ter rosto humano. Ao invés de investir em modelos atraentes, jovens e lindos, procure utilizar rostos que sejam compatíveis com idade, estilo de se vestir ou estilo de vida do seu target. Isso não vai gerar mais engajamento, mas com certeza irá criar um laço afetivo e mais conexão entre você e seu público pelo simples fato de identificação – inconscientemente irão entender que sua empresa compartilha os mesmos ideias que eles.

6. O paradoxo da escolha

Nós crescemos acreditando que quanto mais opções a gente tiver, melhor! Mas, cientificamente falando isso só nos gera confusão – e pode até levar à desistência da compra.  Por isso, chegamos a um conceito chamado de o paradoxo da escolha: nós queremos ter opções, mas no final, sofremos com o tanto de informações e estamos mais vulneráveis a nos arrepender da decisão final.

Trabalhe com “peças chaves” e ofereça poucas, porém boas opções ao seu cliente. Quer forçar a venda de um produto específico? Influencie! Ofereça então uma outra opção um pouquinho inferior à que você quer vender para a mágica acontecer: o cérebro irá comparar qual a melhor e seu público estará mais suscetível a levar a opção que você queria vender.

7. As pessoas compartilham para parecer serem legais

E ponto final. Ninguém compartilha porque sua imagem é bonita, ou seu produto é bom, mas porque aquilo é um reflexo de coisas que elas sentem que as representam de alguma maneira. Por isso é muito importante que você frequentemente compartilhe conteúdo que faça as pessoas parecerem desejáveis, amigáveis, bem informadas, educadas, enfim: que seja legal para a própria imagem delas.

Faça isso de maneira coerente e você irá aumentar as chances da sua mensagem atingir uma maior audiência nas redes sociais.

NEWSLETTER:

Cadastre-se em nossa newsletter e receba nosso email mensal com curadoria exclusiva de conteúdo, descontos para eventos e cursos, convites exclusivos para encontros e muito mais!

Author

Karen Formagio

Estrategista / Partner na Media Education e Head de estratégia na TopperMinds, fascinada por comportamento humano, viagens e música.


Linkedin Facebook Twitter Instagram
Comentários: